Salame

Acalorada, Maria saiu ao relento para refrescar-se, mas não, o calor era interno, brotava do ventre. Então, desnudou-se e soltou o corpo no chão de terra fria. Era uma noite escura.  Ela olhou para o céu, desejosa. Não se sabe se imaginou, sonhou ou viu mesmo um ponto de luz, uma estrela cuja luz crescia em sua direção até delinear-se num corpo de homem nu, pairando no ar com lindas asas translúcidas. Pareceu-lhe extremamente belo, fato que a esquentou ainda mais. – Vim atraído por sua beleza, as curvas… também pela morenice de sua pele, seu desejo clamante… – sussurrava no ouvido dela. Assustada, ela se encolheu, tentando cobrir com as mãos sua intimidade. – Não se assuste, sou do bem. “Abençoada sois vós entre as mulheres,...

Leia Mais

Abandono

Paredes de restos de madeira, plástico e papelão, chão de terra batida, teto de zinco furado por onde feixes de sol invadiam a pobreza. Ela, olho inchado e nariz ainda sangrando, abriu a porta para a policial. Os vizinhos haviam chamado. – Por que a senhora não denunciou ainda o seu marido? Seus vizinhos disseram que você apanha com frequência. ­ A mulher nada respondeu, parecia fraca demais para entabular uma conversação sobre um assunto tão dolorido. – Nós mulheres não podemos mais admitir esse tipo de crime. Temos de ir à luta, denunciar, pedir justiça – continuou a policial. Nisso, começaram a aparecer crianças, antes escondidas no fundo do barraco. Eram cinco ao todo, idades entre 2 e 7 anos, esqueléticas, maltrapilhas, famintas. –...

Leia Mais

Pôr do Sol

Era o melhor cenário possível para um encontro romântico – a Praça do Pôr do Sol ao entardecer. Gramado para sentar ou deitar, árvores fazendo fotossíntese, leve brisa condutora do perfume das flores. Namorados trocavam agrados, maconheiros curtiam sensações já conhecidas, mas sempre desejadas, e solitários estavam à caça ou amargando a solidão… Enquanto esperava por ela, sentado sob um frondoso flamboyant, usava o tempo para observar as pessoas ao redor. Buscava adivinhar seus segredos, ler no andar, nos gestos e na postura, as características de cada uma. Treinava, assim, o olhar de detetive, um hobby. Naquela tarde, muitos vieram absorver a beleza do astro-rei se encaixando no horizonte. Mas ele não sabia apreciar a beleza sozinho, sem...

Leia Mais

Comala

Vim a Comala porque me disseram que aqui vivia meu pai, um tal de Pedro Páramo.” O caminho para quem se vai, sobe; desce para quem vem adentrando um calor como o da boca de um vulcão. Lá embaixo, casinhas brancas amontoadas, o Sol do meio-dia tremulando imagens, gente pra lá e pra cá. Alguém empoeirado passando por mim, perguntei por Pedro Páramo. – Era um rancor vivo. Veja o abandono em que nos deixou – disse, e desapareceu, não vi como. Miragens? Sim, quando cheguei à praça não encontrei viva alma, ninguém, apenas o vento quente descascando paredes e telhados, ecoando, murmúrios, gemidos, queixumes, gritos… Ninguém, mesmo assim, os sinos da carcomida igreja seguiam marcando o tempo. Deixei-me levar pelo vento em busca de meu pai, e...

Leia Mais

Ícaro

Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Ícaro deu por si na cama, transformado em… Estava deitado de costas, tão macias que pareciam revestidas de algodão, e, ao levantar a cabeça, divisou pontas de penas brancas escapando pra fora da coberta. Intrigado, descobriu-se para ver o que era aquilo – estava deitado sobre uma camada de penas brancas. Olhou ao redor. A blusa do pijama estava no chão, rasgada, percebeu o torso nu. Moveu-se, estranhou como se experimentasse um corpo novo. Algo nas costas… Sim, asas presas às suas costas! Assustado, se levantou num pulo, as asas se abriram. Haveria se transformado num anjo, como seria possível? Não acreditava nessas coisas, nem mesmo em Deus… Ou teria caído noutro mundo, como em...

Leia Mais

Salto Quebrado

Ponto de ônibus A menina caída, envergonhada, procura o salto do sapato que se partiu – Igual a esse não acho mais. E agora como é que vou me apresentar? Preciso daquele emprego, mãe doente, pai sumido, ai – quis chorar, quis pular no colo de alguém, se aninhar. De lá vinha um homem, sapato engraxado, terno e gravata surrados, é certo, mesmo assim, elegante como o via sua mãe, olho grudado nos caminhos do filho – Esse ainda vai longe. Esquecida, desavisada de que ele já fizera quarenta, não subira na vida, mas descera. O mesmo que agora vem chegando pela calçada, que a moça ainda caída vê por debaixo, as coxas, o volume do sexo, o peito forte, um rosto sorridente, bigode bem antigo, dentes amarelados de cigarro. – Já sonhei com isso –...

Leia Mais