Bloco de Carnaval

Dona Odília assistia ao noticiário televisivo quando se apresentou um bloco de carnaval preparando-se para o grande evento. Encantou-se com o rebolado de um mulato e teve a ideia de criar um bloco de senhoras da pior idade.

Primeiro, anunciou na Internet – Apareceram pouco mais de dez candidatas. Ótimo! Isso quer dizer que a ideia não é fruto de senilidade, ou seria? Precisava se munir de coragem para convidar as amigas, temidas por suas línguas viperinas, que não hesitariam um segundo em dizer que ela estava gagá. Valentemente, dona Odília fez os convites. Surpresa, quase todas amigas aceitaram participar da primeira reunião, talvez a última, que ao todo contou com a presença de um bom grupo.

De entrada, um chazinho de folhas de coca para animar a moçada, digo, a senhorada. Biscoito de polvilho, oportunidade para todas falarem ao mesmo tempo. Só quem escutava era Joãozinho, bisneto capeta, rindo da cena que espiava pela fresta da porta.

Então, a anfitriã colocou pra tocar um CD do Mestre Marçal e sua bateria de samba. As mais vivas, se ergueram dos sofás, tentavam dar uns passinhos. O som contagiante da bateria logo fez quase todas tentarem dançar, trêmulas de emoção e falta de musculatura.

Após alguns minutos, as dançarinas já estavam cansadas. Desligaram o som e dona Odília lançou uma questão: temos de escolher um nome para o bloco.

Surgiu de tudo, desde Noviças Rebeldes, passando por Antigas Vedetes até Experientes do Samba. Infelizmente, depois de muitas sugestões e discordâncias, umas tentando impor seus desejos às outras, chegaram a um impasse: todas concordaram que ainda não tinham achado um nome que as representasse bem.

Não conseguindo se conter, aproveitando a brecha, Joãozinho gritou: Bloco das Terríveis!

 Compartilhar no Facebook

2 Comentários

  1. Leila Max
    17 ago 2017

    Viajei Nesse Carnaval💋

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.